Ter a oportunidade de estar todos os dias diante do Santíssimo é muito importante para mim. Adorá-lo em Espírito e em Verdade é a forma de agradecimento por muitas graças recebidas e ainda poder invocá-lo a ajudar a romper as muralhas que me são apresentadas no dia a dia.

Há pouco mais de 5 meses tive um problema sério na coluna, tendo este me deixado com as mínimas condições de movimentação física (sou portadora de neuropatia diabética e hipertensa). Muitas vezes até a parte espiritual ficava abalada ante às fortes dores e fraqueza que sentia, perdi muito peso. Faltavam-me forças, disposição, porém nunca faltou a fé (dormia com o terço enrolado na mão).

Concomitante com esse momento iniciou-se o Cerco de Jericó na Paróquia São Judas Tadeu e toda comunidade começou a rezar por minha saúde. Eu não estava em condições de ir ao Cerco mas eu sentia a força da oração que chegava até mim. Orações do Padre e demais membros sempre me animavam e eu podia sentir aquela unidade. Eu fazia o tratamento médico (por sinal, muito bom, o último em tecnologia para coluna – SpineMED), mas sabia que era a família, amigos e, principalmente, os irmãos da Paróquia que estavam me sustentando naquele momento de tanta tanta dor e debilidade.

No dia 13 de agosto consegui ir participar da Santa Missa, “Derrubando as Muralhas pelo Poder da Adoração”, mesmo sabendo que poderia não aguentar ficar até final da Celebração, visto que permanecer sentada ou em pé por mais de 2 minutos era quase um tormento. Ajoelhar? Era praticamente impossível, devido às fortes dores. Já não conseguia, mesmo antes da descoberta da hérnia de disco na lombar. Mas, nessa Missa, houve um momento em que o Padre Reginaldo, tomado por uma grande emoção nos convidou a marcharmos com o Nosso General, e, toda Igreja obedeceu, ao ritmo sonorizado, às “palmas”. Fui ficando ali e uma grande força foi renovando a minha alma e as minhas energias físicas. Era Deus ali presente.

Pedi ajuda a uma amiga paroquiana para me acompanhar na hora de tocar o Santíssimo Sacramento, que estava nas mãos do padre, porque eu precisava me ajoelhar e, caso não conseguisse, ela estaria ali para me apoiar. Outra amiga também quis ir comigo para me segurar. Ajoelhei-me com grande emoção. Fiquei um longo período, naquela posição, sem o desconforto, sem sentir dor, para a honra e Glória do Nosso Poderoso Deus. Depois desse dia, nunca mais tive o incômodo que me privava de fazer esse grande gesto ante ao Senhor. Continuo em tratamento médico, porém estou melhorando a cada dia, principalmente no fortalecimento espiritual.

Desde então, mesmo com algumas dificuldades, continuo ajoelhando, porque: “Todo joelho se dobrará e toda língua proclamará que Jesus Cristo é o Senhor. Nada poderá me abalar, nada poderá me derrotar, pois minha força e vitória tem um nome, é Jesus”.

Por isso é tão importante a realização do Cerco de Jericó. As orações me alçaram num momento muito frágil. Hoje estou participando do Cerco. Uma semana com Jesus Eucarístico para me transformar. Cada dia poder desfrutar da Palavra da Vida tão bem preparada (vida dedicada) pelo padre. Não tenho dúvidas de que essas orações produzidas e vividas alcançam a nós mesmos, nas nossas necessidades físicas e espirituais, edificam nossas almas, como também àqueles que não podem ou não têm ainda a confiança no poder da Adoração ou da oração.

Fátima Alves Lima
11 de outubro de 2017
(4º dia do Cerco de Jericó, realizado de 8 a 15 de outubro na Paróquia)

Foto: Nidiane Soares/Pascom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *