Domingo do Bom Pastor

Todos que participaram da Vigília Pascal renovaram o seu Batismo, o nascimento para essa vida nova no Cristo, o Bom Pastor.

Quando sou batizado, eu recebo o Espírito Santo, me torno o Seu templo vivo. O batizado começa a fazer parte da Igreja, da comunidade.

Todo 4° Domingo da Páscoa, nos voltamos para o nosso Bom Pastor. Ele é o Sumo Pastor que conduz as ovelhas para que elas se nutram, se mantenham vivas. O pastor protege as ovelhas através da Igreja. A Igreja é o redio das ovelhas. Ele nutre suas ovelhas na Eucaristia, e também na Palavra.

Onde nossa fé está fundamentada? Pedro cheio do Espírito Santo disse: “A pedra que os pedreiros rejeitaram, tornou-se agora a pedra angular”. Na linguagem bíblica, teológica, o que significa a pedra angular? Não se refere a baldrames, mas à pedra de esquina, a pedra principal. “Edificados pelo fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo por pedra angular o Cristo Jesus” (Ef 2,20); é Nele que todo edifício se levanta e se torna habitação de Deus.

A pedra angular se coloca e, a partir dela, vai se construindo tudo. A base são os apóstolos e os profetas. Por isso, nós professamos a fé dos apóstolos. “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18).

Qual é, na Paróquia, a pedra principal? O Altar. Temos toda a estrutura, mas se essa igreja não tiver o Altar, se não tiver a pedra angular, Jesus, ela não pode dar a Salvação, porque a Salvação vem só de Jesus. Em nenhuma outra pedra há Salvação.

A pedra foi rejeitada e tornou-se a pedra principal. João diz que a pedra foi um presente de amor que o Pai nos deu. Por meio do Batismo, acolhemos a pedra, aceitamos a Salvação e iniciamos a construção fundamentada em Cristo. Tudo isso nos é oferecido gratuitamente. Então, nós devemos também recebê-lo gratuitamente, com atitudes concretas. Tomemos posse dessa pedra para construir a nossa vida a partir dela.

Jesus, o Bom Pastor, fará tudo para que a ovelha viva, para que a ovelha o conheça e o reconheça. As ovelhas que conhecem são aquelas que tem uma íntima relação com o pastor, uma relação de amor, respeito, dependência. Essas conhecem a voz do pastor, e o pastor as conhece.

Existem aquelas que não conhecem, mas também existem aquelas que conheceram e se afastaram. Algumas pessoas só se aproximam do Pastor querendo coisas. Mas o pastor oferece sua vida. Ele mesmo é o Pastor das ovelhas. Ele nutre e muitos dizem: ainda me faltam coisas. Precisamos de coisas porque não somos anjos. Precisamos, mas são acréscimo; não são essenciais.

Não podemos colocar o carro, o financeiro, as coisas, na frente do Senhor. A vida do Pastor já é tudo o que precisamos. Se começarmos a construir sem a pedra angular, vem o vento, a tempestade e a casa cairá. Na fraqueza da ovelha aparece o mercenário e oferece tudo a ela, que se deixa conduzir e, só quando está na boca do lobo, grita por socorro.

Bocca al lupo, crepi il lupo! [termo italiano que alude ao fato de vencer o lobo]. O lobo não me prenderá. Na hora certa, o pastor virá ao meu auxílio.

Quando a ovelha sai da Igreja, ela se perde. Este redio com a pedra angular se sustenta nos quatro pilares da Igreja, quatro “sapatas”: Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. Nesta Igreja, ao lado da pedra angular, está a mãe da pedra angular: Maria. Ela é a pastora da Igreja. Só existe uma mulher pastora na Igreja. É ela. Jesus carrega as suas ovelhas e coloca no colo da Mãe. Assim, também, as mães são pastoras de seus filhos, em sua Igreja Doméstica.

Acolhamos o Senhor, bom Pastor, para sermos alimentados e guiados por Ele.

Leituras:
Primeira Leitura (At 4,8-12)
Responsório (Sl 117)
Segunda Leitura (1Jo 3,1-2)
Evangelho (Jo 10,11-18)

Homilia do Pe. Reginaldo Albuquerque, pároco
Síntese por: Camila Soares/Pascom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *